quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Honduras: Reinaldo Azevedo, Augusto Nunes e Coronel, os únicos confiáveis na mídia brasileira!


A DEMOCRACIA CONTRA O POPULISMO ABSOLUTISTA

A tentativa levada a efeito por Hugo Chávez, Lula e Daniel Ortega de reinstalar, à força, Manuel Zelaya no poder, em Honduras, obedece a uma espécie de diretriz das esquerdas latino-americanas: evidenciar que os Poderes Legislativo e Judiciário nada podem contra um “presidente eleito pelo povo”, pouco importa o que ele faça e como se comporte. As urnas confeririam ao eleito uma autoridade que estaria acima da própria Constituição. Assim se deram as “mudanças” na Venezuela, na Bolívia e no Equador.

O primeiro país já é uma ditadura; os dois outros estão a caminho, seguidos de perto por Nicarágua. Não pensem que Lula é estranho a este sentimento. É que, no Brasil, as coisas têm de ser feitas de outro modo. O fato é que estamos, no continente, diante de uma óbvia hipertrofia do Poder Executivo, que passa a reivindicar o poder absoluto ancorado na “legitimidade popular”. A fórmula, assim, fica simples: “Zelaya foi eleito? Então tem de governar”, pouco importa se de acordo com a Constituição ou contra ela. Por isso a conspirata de agora contra o governo hondurenho.

A verdade cristalina, evidente, comprovada pelos fatos, é que Honduras, apesar de todas as dificuldades enfrentadas pelo estúpido isolamento a que vem sendo submetida depois da deposição constitucional de Manuel Zelaya, estava vivendo relativamente em paz. E o advérbio fica por conta das naturais dificuldades que enfrenta um país nessas condições. Justiça, Congresso, imprensa, Igreja, sindicatos… Cada instituição ou ente da República vivia na plenitude de seus direitos. Era assim até que Lula irrompesse no cenário. Não custa lembrar: Zelaya foi deposto PARA QUE A LEI SE CUMPRISSE.

Como sabem os leitores deste blog, não preciso de pelo menos 24 horas para opinar sobre alguma coisa; não espero que os leitores primeiro se manifestem para depois dizer o que penso. Outros aproveitam um detalhezinho ou outro para dar cavalo de pau no que vinham afirmando e sustentar, então, o contrário. No dia do que chamam golpe, que golpe nunca foi, escrevi aqui o texto Quem é mesmo o golpista em Honduras? POR ENQUANTO, Forças Armadas garantem Constituição democrática. Fui o primeiro, talvez na imprensa mundial (estou parecendo o Lula, rá, rá, rá), a fazer o óbvio: ler a Constituição hondurenha, que vinha garantindo três décadas de regime democrático no país. Não fiz nenhum favor a ninguém. Era uma obrigação de todo jornalista. Alguns não a cumpriram até hoje.

Ocorre que Hugo Chávez anunciou o que chamou de “golpe”, o Brasil seguiu atrás como cachorro vagabundo atrás do caminhão de gás, e José Miguel Insulza, o asqueroso socialista chileno que preside a OEA, estrilou e anteviu guerra civil… Aí veio o governo de Barack Hussein, que terceirizou para Madame Clinton o “setor América Latina”. E a imprensa mundial, incluindo a brasileira, que chega a estar infiltrada pela assessoria de imprensa de Celso Amorim, saiu, bovinamente, a protestar contra o “golpe”. Que golpe? A Constituição evidencia que Zelaya caiu para preservar as instituições.

Ele estava fazendo um plebiscito declarado ilegal pela Justiça e rejeitado pelo Congresso. Deu ordens ao Exército que contrariavam a Constituição. Foi deposto pela Justiça. Mas um erro grave foi cometido: foi retirado do país. Conta-me uma fonte ligada ao governo hondurenho que os representantes da Justiça e do Congresso que negociaram com Zelaya caíram num truque infantil. A decisão inicial, com base na Constituição e nas leis, era prendê-lo e processá-lo. Ele teria pedido para sair. Convenceu os interlocutores que isso evitaria confrontos e eventuais mortes. Cederam a seus apelos.

O pijama já fazia parte de sua pantomima. Chávez, o real organizador e financiador do plebiscito, tratou de cada detalhe da saída de Zelaya e, depois, da “resistência”. O governo provisório de Honduras apostou que o madeireiro milionário pensaria nos próprios negócios e na fortuna que tem no país e não criaria problemas. Deu no que deu. A fonte é muito boa, o que não significa que acredite sem reservas na história.

O comandante do Exército já havia dito a Zelaya que não cumpriria uma ordem declarada ilegal pela Justiça. Ele sabia que iria ser deposto. Não queria ser preso. E não foi. Retirá-lo do país, à força ou numa negociação, foi um erro estúpido. Conferiu ares de verdade à mentira evidente de que teria havido um golpe. Sigamos. Honduras vivia, então, relativamente em paz. Cedo ou tarde, o governo que saísse das urnas acabaria sendo reconhecido. MAS UMA NOVIDADE INSUPORTÁVEL ESTARIA DADA PARA OS BOLIVARIANOS E SEUS AMIGOS: PRESIDENTE QUE RECORRER ÀS ELEIÇÕES PARA AFRONTAR A CONSTITUIÇÃO CAI. E é derrubado democraticamente. O próprio Lula, pesquisem, chegou a comentar: “Se isso vira moda…” Pois é, se isso “vira moda”, o bolivarianismo vai para o vinagre. HONDURAS, COM EFEITO, É UM PÁIS PEQUENO DEMAIS PARA INCOMODAR TANTO.

A QUESTÃO É DE PRINCÍPIO PARA OS AUTORITÁRIOS. Eles precisam da soberania absoluta - e absolutista - das urnas para levar adiante o seu projeto de ditadura. Assim, Lula, Ortega e Chávez se articularam para instaurar em Honduras o caos, a desordem, o clima de guerra civil. E pouco se importaram ou se importam com o destino dos hondurenhos. A sorte do governo provisório - e da população - é que Zelaya tem o apoio de uma minoria que chega a ser ridícula. Por isso, os distúrbios de rua são contidos com relativa facilidade. Chávez estava e está determinado a provocar um banho de sangue no país, como ficou evidente nas duas outras vezes em Zelaya tentou voltar Na semana seguinte ao conflito, esquerdistas da Venezuela e da Nicarágua foram presos no país.

Estavam lá com o único fito de participar das manifestações. O que está em jogo em Honduras é mais do que reinstalar ou não Zelaya no poder. O que está em jogo é saber qual é o limite da dita soberania de um governo eleito pelo povo. Será ele tão poderoso que pode afrontar a própria Constituição que dá legitimidade à escolha democrática? Ora, para um democrata, a resposta óbvia é “Não”. O povo não é soberano para rasgar a Constituição que declara a sua soberania, entenderam? E isso significa que há regras. As da Constituição hondurenha foram violadas por Zelaya. Trata-se, em suma, de um choque entre a legalidade democrática e, se me permitem, o populismo absolutista.

Houvesse um governo nos EUA e não um garoto-propaganda das ONGs, que tem a ambição de governar o país a partir da TV e da Internet, isso já teria ficado claro há tempos. E esses ratos gordos não estariam tão assanhados. O problema é que o gato está cuidando da maquiagem para mais um espetáculo, mais uma entrevista, mais um show midiático.


Reinaldo Azevedo

..............

O que é Manuel Zelaya para o governo brasileiro? Em que situação ele está na embaixada do Brasil em Honduras? Celso Amorim, esperto e serelepe, já saiu declarando que ele não é um “asilado”. E por que se apressou em dizê-lo?

Porque, como asilado, estaria impedido de usar a embaixada como base de uma convocação para a sua guerrinha civil. Afinal, fala em “vitória ou morte” - a vitória para ele, e a morte para os outros… Bem, se ele não está asilado, então a embaixada brasileira em Tegucigalpa se converteu numa base de operação de um dos lados do conflito, o que também é vetado explicitamente por uma penca de acordos internacionais e dá a Honduras o direito de reagir. Essa indefinição explicita a tramóia em que se meteu o Brasil quando decidiu interferir de forma tão escandalosa nos assuntos internos de um outro país.

É claro que, ai, ai, com um outro Senado, a situação seria diferente. Ontem, Eduardo Ai-que-preguiça Azeredo (PSDB-MG), presidente da Comissão de Relações Exteriores, liderou o coro dos que protestavam contra o “cerco à embaixada brasileira”. Com os diabos! Cerco a uma embaixada é coisa muito diferente. Baderneiros faziam arruaça por ali, insuflados por Zelaya. Por que Celso Amorim não nos mostra a legislação que permite essa pantomima?

Não mostra porque não existe. Ao contrário. Já demonstrei aqui que a atuação do Brasil viola vários dispositivos da Carta da OEA, da sua própria Constituição e da Constituição hondurenha. Ora, Roberto Micheletti está certo em sua obviedade: ou Brasília considera Zelaya um asilado e fica com o homem ou o entrega ao Poder Judiciário.

O que não pode é Zelaya ficar como “abrigado” na embaixada brasileira, mas insuflando a insurreição.

..............


Por Luciana Coelho, na Folha:
O embaixador hondurenho Delmer Urbizo defende a eleição de novembro como saída para a crise política em seu país. E revolta-se com a falta de apoio dos vizinhos -nenhum deles reconhece o governo Roberto Micheletti, que ele representa na ONU em Genebra.
No dia 14, Urbizo foi retirado do Conselho de Direitos Humanos da ONU, após embaixadores latinos, liderados pelo Brasil, pedirem a anulação da sua credencial. Mas, apesar da voz desanimada com que atendeu em sua casa ao telefonema da Folha ontem, Urbizo diz manter o moral alto.
E frisou que suas credenciais seguem válidas -a Folha apurou que a ONU ainda tramita o pedido de anulação.

FOLHA - Como fica sua situação aqui na ONU?
URBIZO
- Foi um atropelo inqualificável. Estou protestando ao presidente do Conselho de Direitos Humanos. Porque sigo sendo embaixador, e, mesmo assim, me impedem de assistir às sessões.

FOLHA - Como o sr. vê o papel do Brasil nesse episódio?
URBIZO
- Estranhei. Sempre respeitamos o presidente Lula. Mudaram as coisas. A política bilateral vai mal.

FOLHA - A questão do Brasil é com o governo Micheletti.
URBIZO
- A questão é que o Brasil está assumindo… [O presidente dos EUA, Barack] Obama já disse isso, que está encarregando o Brasil de fazer o que os EUA faziam antes e cuidar dos interesses latino-americanos. Mas os países latino-americanos não vão procurar o Brasil para cuidar dos interesses deles.

FOLHA - O Brasil virou uma polícia regional, é isso?
URBIZO
- Eram assim os EUA. Mas eles não querem mais saber da região, logo…

FOLHA - Muitos veem no Brasil o contrapeso ao venezuelano Hugo Chávez.
URBIZO
- Que contrapeso? Se Chávez realmente fosse um problema para os EUA, os EUA o apagariam do mapa. Eles não continuam comprando petróleo dele? Todos têm negócio com Chávez.

FOLHA - Por que ninguém reconheceu seu governo?
URBIZO
- Quantas ditaduras há no mundo e não fizeram nada? A nossa não é uma ditadura. Querem usar um país pequeno e vulnerável para fazer justiça internacional. Esse governo é transitório. Haverá eleição em 29 de novembro, eleições aprovadas no ano passado. Não há ruptura constitucional.

.........


Por Bruno Garcez, da BBC Brasil em Washington, na Folha Online:
O secretário-geral da OEA (Organização dos Estados Americanos), José Miguel Insulza, disse nesta terça-feira que o retorno do presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, a seu país representa uma “grande oportunidade” para que se alcance um fim pacífico para o conflito em Honduras.
“A população e as autoridades do governo de fato se deram conta de que após três meses não há um só país que os reconheça”, afirmou Insulza, em referência ao consenso na comunidade internacional contra o governo interino do presidente Roberto Micheletti.
Os comentários de Insulza foram feitos durante uma entrevista coletiva em Nova York, onde participa da Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas). Zelaya regressou a Honduras na véspera da reunião e se refugiou na embaixada do Brasil na capital, Tegucigalpa.
O secretário-geral da OEA afirmou ainda que conversou com Zelaya e com representantes do governo interino de Honduras.
Insulza disse que pretendia viajar para Tegucigalpa assim que foi confirmado o regresso de Zelaya, mas foi obrigado a adiar seus planos por conta do toque de recolher decretado pelo governo interino na segunda-feira (21). As autoridades do país também fecharam os aeroportos em todo o território hondurenho.

Comento
O socialista Insulza dá curso às declarações da mais absoluta delinqüência intelectual que o têm caracterizado nessa história.

Recorram ao arquivo. Insulza é aquele senhor que previu uma guerra civil em Honduras caso Zelaya não fosse reinstalado no poder imediatamente após a deposição - constitucional, diga-se.

Só que não aconteceu nada! A população hondurenha, em vez de sair enlouquecida às ruas pedindo a volta de Zelaya, tomou a praça para comemorar a queda do candidato a ditador e expressar apoio ao novo governo.

Como a “guerra civil” não aconteceu, Insulza e a canalha bolivariana passaram a conspirar abertamente contra o governo provisório de Honduras. Até que Lula e Chávez, com a concordância deste incrível Barack Obama, levassem a arruaça a Tegucigalpa, ameaçando com um banho de sangue o país que estava em paz e se preparava para realizar o que não existe na Venezuela ou em Cuba: eleições democráticas.

Nenhum comentário: